DSC01919

O fim de semana na Bienal do Livro contou com a presença de inúmeros autores de livros em dezenas de sessão de autógrafos. Com eles, a festa se tornou completa para quem esteve no maior evento literário do País.

Foi difícil saber qual escritor atraiu mais fãs. As filas para autógrafos de Mauricio de Sousa e Ziraldo, por exemplo, começaram bem antes de ambos escritores sentarem à mesa para receber seus leitores.“O meu primeiro lançamento na Bienal do Livro de São Paulo foi em 1980. Sempre teve grande presença de público. Isso me satisfaz”, revela um dos principais autores da literatura infanto-juvenil brasileira.

Ele lembrou de Almir Klink, que afirmou certa vez ter despertado para a aventura depois de ler um livro seu com o personagem Pererê. Coincidência ou não, enquanto contava esta curiosa história, Laura, Tamara e Marininha Klink, as três filhas do navegador, terminavam no estande ao lado uma concorrida sessão de autógrafos do livro delas sobre a Antártica.

Mais adiante, o escritor Jostein Gaarder também atendeu ao público no estande de sua editora, depois de participar de palestra no Salão de Ideias. O norueguês relacionou a sua obra ao Brasil. “A minha literatura trata de ciência e espiritualidade. E aqui é um país da espiritualidade”, afirmou.

O jornalista Caco Barcellos participou de bate-papo no Território Livre. Sala cheia, deu dicas a dezenas de jovens que encheram a sala para ouvir um dos maiores repórteres brasileiros e também autor de alguns best-sellers. “A experiência de observar a realidade é muito rica. Essa é a essência da reportagem”, definiu a plateia seu trabalho.

Padre Marcelo foi outro que atraiu uma multidão à Bienal em sua sessão de autógrafos. Enquanto isso, o casal de escritores de livro infantil Moreno Aguilar e Marisa da Silva Moreno, que lançavam um livro em conjunto, exaltava a feira. “Eu escrevo poemas e já tive alguns deles publicados em antologia, mas livro mesmo, esse é o primeiro. É muito gostoso poder lançá-lo na Bienal, estamos muito entusiasmados”, exalta a mulher.

Ludmila Maurer comentou ser importante lançar seu livro, o ensaio filosófico “Máximas da Modernidade Tardia – um convite à reflexão”, no evento: é o local onde se concentram pessoas que fazem questão do pensamento; que têm a literatura como ser concreto representativo de uma ideia abstrata.

Sábado, 14 de agosto de 2010